The Economist dá vida a seu conteúdo para conquistar assinantes

WHAT’S NEW IN PUBLISHING – JUNHO/2020

A britânica The Economist obteve desde 2014 mais de 150 mil assinaturas em oito países a partir de uma série e iniciativas por meio das quais a publicação promoveu interações com o público com base no conteúdo da revista especializada em negócios e finanças, que muitas vezes é considerado de difícil leitura. Em parceria com a agência Sense, a publicação promoveu, por exemplo, a degustação de pratos de aparência deliciosa, como crepes e sorvetes, para depois informar ao público que as guloseimas continham insetos. A partir dali, a revista promovia um debate sobre um tema recorrente em suas páginas: os insetos são uma fonte de proteína que, no futuro, pode ser crucial para a humanidade. Em outra ação, a The Economist concentrou-se no desperdício de alimentos. Milhares de toneladas de frutas e vegetais descartados foram servidos em deliciosos smoothies. “Falando com o público certo da maneira certa, abrimos novos caminhos na aquisição de assinaturas”, diz a diretora de contas da Sense, Sarah Norfolk.

Leia aqui o texto na íntegra.

Selecionamos outros textos para você