Seminário on-line debate futuro dos meios de comunicação após a crise

ABRAJI – 12/05/2020

A pandemia de COVID-19 e a crise econômica global que se estabeleceu na esteira da doença representam o maior desafio da indústria jornalística neste século e muitas das transformações podem permanecer. A acelerada transição digital, o trabalho massivo contra a desinformação e os benefícios do trabalho remoto devem ser heranças deixadas pela pandemia para o próximo período, segundo jornalistas que participaram na terça-feira (12) de um dos painéis do o seminário virtual “Liberdade de imprensa durante a pandemia”, promovido pela Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) e a Embaixada dos Estados Unidos no Brasil. Os jornalistas também reforçaram formas de monetização que ganharam maior destaque em meio à pandemia para a captação de patrocinadores. Entre elas, as principais observadas são as transmissões ao vivo de seminários virtuais, além de newsletters e podcasts.

No painel “Futuro dos meios de comunicação após a pandemia”, que contou com cerca de 350 participantes, os participantes  elencaram aqueles que acreditam serem os principais ensinamentos da pandemia para a imprensa. São eles:

– Continuar explorando as possibilidades do trabalho remoto para aumentar a qualidade de vida dos funcionários de redações;

– A importância da informação de qualidade para salvar vidas;

– Capacidade de adaptação dos profissionais da imprensa e da tecnologia para permanecer produzindo conteúdo de qualidade, mesmo que em condições adversas;

– Uma maior alfabetização midiática em função da busca por informação verídica.

Clique nos links abaixo para ler os textos da Abraji com a cobertura do seminário on-line:

Primeiro painel de seminário virtual debate segurança do jornalista na pandemia

Segundo painel de seminário on-line debate futuro dos meios de comunicação após a crise sanitária

Terceiro painel de seminário on-line aborda desafios no combate à desinformação durante a pandemia

Selecionamos outros textos para você