Pesquisa mostra que os brasileiros querem mais campanhas educativas

PROPMARK – 19/05/2021

Kelly Dores

Levantamento feito pela Toluna aponta o que as pessoas esperam das marcas e como avaliam o governo na pandemia; Magalu foi a marca mais bem avaliada.

Juntos somos mais fortes, estamos unidos. Essa foi a frase dita por 21% dos respondentes de uma pesquisa feita pela Toluna com exclusividade para o PROPMARK, quando perguntados, se fossem uma marca, qual mensagem passariam após a pandemia? Os dados da sondagem mostram também quais atitudes os brasileiros esperam das empresas e como avaliam a condução do governo nesta crise. Para 73%, o governo não está conseguindo administrar bem a crise de saúde nem a crise econômica (69%).

Diante de um governo federal que nega a ciência, responsável por um programa de vacinação cercado por críticas e denúncias, agora investigadas pela CPI da Covid, o levantamento indica como as pessoas depositam suas esperanças nas empresas e o que mais esperam delas em termos de comunicação, a respeito do que têm visto na internet via portais de notícia, redes sociais, sites próprios, rádio, TV ou mídia impressa.

Para 61%, as marcas deveriam levar à mídia mais campanhas educativas sobre como evitar a propagação do vírus; 58% acham que elas poderiam comunicar mais campanhas educativas em favor da vacina; e 56% acreditam que deveriam falar mais sobre cuidados de higiene, como passar álcool em gel, usar máscaras e higienizar as mãos.

Outra percepção avaliada é o quanto a comunicação das marcas reflete a realidade atual dentro do contexto da pandemia. Para 45%, as comunicações de parte das marcas estão coerentes com o momento que enfrentamos; 34% acreditam que as comunicações de todas as marcas estão coerentes com o momento; 17% acham que as comunicações de poucas marcas estão coerentes, enquanto apenas 2% avaliam que nenhuma marca está se comunicando de forma coerente.

Quando perguntados sobre o que mais as empresas podem fazer para suavizar os efeitos da pandemia, conscientizar a população a fazer os protocolos de segurança foi a opção escolhida por 17% dos respondentes; 12% escolheram a alternativa ajudar com cestas básicas ou doar alimentos; 11%, ajudar os necessitados; 8% acreditam que as marcas deveriam ajudar a diminuir os preços das mercadorias ou não aumentá-los; e 7% disseram não demitir.

Com relação às mensagens das marcas, 19% citaram o texto ‘tudo vai passar, esperança, futuro melhor’; 13% disseram ‘amar o próximo, solidariedade, ter empatia’; 5% falaram em ‘retomar a vida, voltar à normalidade’, e 4% citaram ‘fé em Deus, confie em Deus’.

Marcas mais lembradas
A sondagem aponta também as marcas mais lembradas nesta pandemia. Diante da pergunta quando você pensa numa marca que está perto dos brasileiros, ajudando nos momentos de mais necessidade, qual a primeira marca que vem à sua cabeça?, 9% responderam Magazine Luiza; 7%, Natura; 6%, Ambev; 6%, Unilever; 5%, Nestlé; 5%, Itaú; 4%, Caixa Econômica Federal; e 4%, Americanas (4%).

A consulta foi feita, por meio de plataforma digital, com 827 pessoas, entre 18 e 55 anos, sendo 55% homens e 45% mulheres, das classes ABC, em nível nacional, entre os dias 24 e 29 de abril. A Toluna pertence à Harris Interactive Europe e à KuRunData, e fornece insights em tempo real sobre consumidores.

Selecionamos outros textos para você