Os paralelos acidentais desta HQ do Cascão com o momento atual

NEXO – 26/05/2020

Cesar Gaglioni

Parte da linha Graphic MSP, trama escrita e desenhada pelo quadrinista Camilo Solano, mostra o personagem de Mauricio de Sousa tendo que se divertir enquanto está preso em casa.

Desde 2012, o selo de quadrinhos Graphic MSP dá a artistas nacionais e independentes a oportunidade de criarem uma releitura – em seus respectivos estilos e gêneros – dos personagens criados por Mauricio de Sousa. Essas histórias são lançadas no formato de graphic novel, termo usado para se referir a HQs com começo, meio e fim.

A linha é um sucesso de vendas, e já rendeu até uma adaptação para os cinemas, em “Turma da Mônica – Laços”, com direção de Daniel Rezende (“Bingo”). O filme, lançado em 2019, é baseado na HQ de mesmo nome dos irmãos Vitor e Lu Cafaggi.

Em abril de 2020, o selo lançou “Cascão – Temporal”, quadrinho escrito e desenhado pelo artista paulista Camilo Solano (“O fio do vento”).

Na trama, os pais de Cascão partem para uma viagem de navio e o personagem, com seu tradicional medo de água, recusa-se a ir, ficando sob a tutela de seu tio Gerson.

O que Cascão não imaginava é que o fim de semana seria marcado por uma chuva intensa e constante, forçando o menino a ficar dentro de casa e a achar formas de brincar nesse período – o que envolve uma série de aventuras imaginadas por ele junto de Gerson, que mergulha de cabeça nas brincadeiras do sobrinho.

Os bastidores da HQ
Fazer uma história com foco no Cascão era um desejo desde o início do selo, segundo Sidney Gusman, idealizador e editor da linha.

O planejamento para a HQ começou em 2018. Gusman, que seleciona quais personagens vão protagonizar as histórias e os autores, queria mostrar a essência de Cascão. Após ler “Desengano”, lançada por Camilo Solano em 2015, viu no trabalho do autor um caminho possível para o projeto.

O convite oficial veio em maio de 2019. “Eu fiquei maluco, fiquei sem reação, mas muito feliz. Uma conquista e uma aventura gigantes para minha carreira”, disse Solano ao Nexo.

Assim como em outras obras do quadrinista, há um tom autobiográfico em “Cascão – Temporal”. A primeira semelhança entre criador e criação é que a HQ tem como co-protagonista o tio Gerson, que tem o mesmo nome do pai de Solano.

O personagem já existia, tendo aparecido em uma única história publicada em 2002, mas o quadrinista aproveitou para colocar características do pai nele. “O tio Gerson é muito parecido com o meu pai, em quase tudo. Sempre bem-humorado, até hoje um cara que não se cansa de brincar”, disse.

O paralelo (acidental) com o mundo real
Autor e editor se reuniram e começaram a trabalhar em ideias para o roteiro ainda em maio de 2019.

O que nenhum deles esperava é que o eixo narrativo da HQ – Cascão ficando preso dentro de casa – teria paralelos com o mundo real, que se vê em meio à pandemia do novo coronavírus. Para frear o avanço da doença, ficar em casa e praticar o isolamento social virou uma necessidade.

“Não posso falar que é uma feliz coincidência porque ninguém está feliz”, afirmou Gusman ao Nexo. “Mas é uma coincidência. O que mais lemos [nas avaliações do público] é que em tempos de isolamento, ler uma história como essa é um presente”, disse.

A história tem um tom leve, e foca nas brincadeiras do protagonista, que vão da exploração espacial a um safári, passando pela construção de uma geringonça que seria uma “máquina para espantar a chuva”.

“Saber que ‘Cascão’ está confortando os leitores, trazendo um pouco de alegria nestes tempos de trevas que estamos vivendo é incrível”, disse Solano. “É a sensação de poder estar melhorando o dia de alguém, que as pessoas estão gostando e que a história está tendo um outro significado. Não tem preço.”

Ilustração com uma combinação de dois objetos (fones de ouvido e um óculos de leitura) sobre um fundo vermelho, amarelo e azul claros
ÍNDEX
Desacelere: conteúdos para diminuir o ritmo, aprender e expandir seus horizontes informativos
A recepção e as vendas de ‘Cascão’
Na Amazon, “Cascão – Temporal” tem cinco estrelas, classificação máxima dada pelos clientes no sistema da loja virtual. No Goodreads, aplicativo de registro de leituras, a HQ tem 4,3 estrelas, de cinco possíveis.

Até a manhã do dia 26 de maio, Gusman não tinha ainda os números de venda da HQ, mas afirmou que o fato de bancas e livrarias estarem fechadas em boa parte do país impactou o desempenho de “Cascão – Temporal”.

Por esse motivo, a Mauricio de Sousa Produções e a editora Panini pretendem relançar o título nas bancas e livrarias quando elas forem reabertas. A próxima publicação do selo, “Penadinho – Lar”, de Paulo Crumbim e Cris Eiko, está marcada para julho.

Ainda em 2020, a linha vai lançar a quinta aventura do Astronauta, escrita e desenhada por Danilo Beyruth, e a continuação de “Jeremias – Pele”, de Rafael Calça e Jefferson Costa, HQ que venceu o prêmio Jabuti 2019.

Mesmo com o impacto causado pela pandemia, há uma procura significativa pelo título em lojas online. Na terceira semana de maio, a graphic novel ficou temporariamente esgotada na Amazon, com o estoque renovado dias depois.

O Cascão de Mauricio de Sousa
Cascão foi criado por Mauricio de Sousa em 1963, inspirado em um amigo de Marcio de Sousa, irmão do quadrinista. Sua estreia aconteceu em agosto daquele ano, numa tira do Cebolinha publicada pelo jornal Folha de S.Paulo.

O personagem, que a princípio teria participações esporádicas, foi bem recebido pelo público, e logo se tornou parceiro inseparável dos planos infalíveis do Cebolinha.

Em 1982, a pedido dos fãs, Mauricio de Sousa deu a Cascão uma revista própria, que chegava às bancas quinzenalmente e com menos páginas do que os títulos principais – “Mônica” e “Cebolinha” – e que está em circulação até hoje.

Selecionamos outros textos para você