Novo estudo coleta detalhes sobre a violência on-line contra jornalistas mulheres

IJNET – 28/09/2020

Julie Posetti

Há uma nova frente na luta pela segurança dos jornalistas; aquele em que as mulheres estão no epicentro de risco. As ameaças à segurança digital, psicológica e física que você enfrenta em sua profissão se sobrepõem, convergem e são inseparáveis. Dependendo de onde e quando convergem, podem ser situações assustadoras ou fatais.

Os riscos variam de assédio e abuso online a ameaças de violência sexual. Também há crescentes violações de privacidade e segurança digital, juntamente com táticas de desinformação. A combinação dessas ameaças pode ser chamada de “violência de gênero online”. Os perpetradores variam de misóginos individuais e turbas em rede a agentes de desinformação ligados ao estado que procuram minar a liberdade de imprensa.

É por isso que o Centro Internacional de Jornalistas ( ICFJ ) fez parceria com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura ( UNESCO ) em uma pesquisa global sobre a incidência e os impactos desse tipo de violência contra mulheres jornalistas e medidas eficazes para combater o problema. A pesquisa, lançada esta semana, nos ajudará a entender a manifestação da violência de gênero online em 2020.

Leia aqui.

Selecionamos outros textos para você