Nielsen cria recurso que promete leitura mais precisa de dados

PROPMARK – 27/06/2021

Janaina Langsdorff

Novo modelo de atribuição chamado Identity Sync permite captar entre 86% e 98% da jornada de consumo das pessoas na internet.

Sem os cookies, mercado busca alternativas para manter a eficácia e a mensuração de resultados na publicidade digital sem violar as regras de privacidade instauradas pela LGPD (JinQin/ Freepik)
Reconhecer o usuário na internet e anunciar produtos conforme o seu padrão de navegação está mais difícil. A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), em vigor desde setembro de 2020, restringiu a utilização de cookies, arquivos de monitoramento gravados pelos navegadores, e interferiu na estratégia de publicidade digital.

Um exemplo é o trackeamento de dados para a construção de remarketing, quando anúncios relacionados a uma determinada busca são exibidos repetidamente. Agora, o compartilhamento de informações depende do consentimento do usuário. O Google, com o Chrome, a Apple, dona do Safari, e o Firefox já anunciaram a extinção ou barreiras para os cookies, e as marcas buscam alternativas capazes de manter a eficácia e a mensuração dos resultados sem violar as regras de privacidade.

Uma das soluções é apresentada pela consultoria Nielsen. Baseado em um novo modelo de atribuição, o Identity Sync surge como uma tag não específica que independe de IDs de dispositivo ou do ecossistema do navegador. A ferramenta cria correspondências entre os consumidores e sua exposição aos anúncios usando identificadores contínuos como um conector para cada evento de conversão.

“A Nielsen vai continuar a permitir que as marcas usem dados ao nível pessoal para tomar decisões, mesmo sem cookies. Isso porque combinamos dados 1st party, integrações server-to-server e os próprios jardins murados para criar uma maneira mais robusta de identificar clientes”, explica Julia Sant Ambrosio, diretora de marketing effectiveness da Nielsen para a América Latina.

Segundo a executiva, a nova metodologia promete até 5% a mais de receita devido a sua precisão. “Ao passar de uma otimização mensal para diária as marcas podem aumentar a sua eficiência de marketing digital em 38% na média”, acrescenta Julia.

Na era da publicidade direcionável, ações de alta performance valem mais do que o uso de dados agregados. “Quando as marcas otimizam de maneira granular podem ter até seis vezes mais o número de consumidores”, pontua Julia.

Frente aos cookies, o recurso da Nielsen desponta. Antes, era possível capturar entre 50% e 70% da jornada dos clientes. Já o Identity Sync coleta entre 86% e 98% do trajeto de consumo. “Usamos diversos identificadores, que nos permitem medir a atividade nos aplicativos, mensurar conversões offline e resultados de uma maneira mais robusta”, ressalta Julia.

Já aplicada em cerca de 25% dos clientes da Nielsen em todo o mundo, a nova metodologia encontra adeptos também no Brasil, com ganhos nas áreas financeira, aéreas e de varejo. O Barceló Hotel Group conseguiu ler 96% do total de suas jornadas de consumo no ambiente digital. Em média, a eficiência dos anunciantes chega a alcançar o índice de 20%.

“O mercado de mídia brasileiro é bastante maduro perante a América Latina, funciona como um dos faróis para a região”, avalia Julia. Mas ainda é preciso amadurecer o trabalho de leitura dos dados e mensuração para assegurar os resultados. Uma das saídas é combinar criação com técnicas e metodologias eficazes.

O modelo de atribuição da Nielsen, aliado às parcerias estabelecidas com os players do mercado digital, oferta uma visão holística da jornada, abrindo caminhos com potencial para novos negócios na publicidade.

Selecionamos outros textos para você