Debate sobre o 5G leva a desinformação à esfera pública

PODER360 – 19/07/2020

NIEMAN LAB –  Michael Jensen

Embora a pesquisa descrita abaixo se concentre na Austrália, as teorias de conspiração relacionadas ao 5G definitivamente não são oriundas do país. Em uma pesquisa no mês passado, o Pew Research Center descobriu que 71% dos norte-americanos ouviram pelo menos “1 pouco” sobre a teoria da conspiração de que o coronavírus foi planejado intencionalmente por pessoas poderosas: e, daqueles que ouviram falar sobre isso, “36% dizem ser ‘definitivamente’ ou ‘provavelmente’ verdadeiro –equivalente a 1/4 de todos os adultos dos EUA.”

As notícias falsas não são apenas 1 problema de alegações enganosas ou falsas em sites sensacionalistas. Elas estão cada vez mais sendo filtradas pelo mainstream e têm o potencial de serem profundamente destrutivas.

Minha análise recente de mais de 500 petições públicas a 1 comitê parlamentar sobre o lançamento do 5G na Austrália mostra como as campanhas de desinformação se disseminaram nos mais altos níveis do governo. Um número significativo de petições apresentou questionamentos imprecisos sobre os efeitos do 5G na saúde.

Esses falsos argumentos foram proeminentes o suficiente para que o comitê se sentisse compelido a abordar a questão em seu relatório final. O documento observou que “a confiança da comunidade no 5G foi abalada depois de informações falsas sobre os perigos ao público se espalharem pela Internet e serem apresentadas como fatos, principalmente nas mídias sociais”.

Essa é uma situação notável para a política pública australiana –não é comum que uma investigação parlamentar tenha que refutar as alegações científicas desonestas que recebe na forma de petições públicas.

Enquanto muitos australianos podem rejeitar essas alegações como teorias da conspiração, o alcance dessa desinformação é importante. Se 1 número suficiente de pessoas agir com base nessas reivindicações, poderá causar danos ao público em geral.

No final de maio, por exemplo, protestos contra 5G, vacinas e restrições da covid-19 foram realizados em Sydney, Melbourne e Brisbane. Alguns manifestantes alegaram que o 5G estava causando a covid-19 e que a pandemia foi uma farsa –uma “plandemia”– perpetuada para escravizar e subjugar o povo ao Estado.

Desinformação também pode levar à violência. No ano passado, o FBI identificou pela 1ª vez extremistas orientados por teorias da conspiração como uma ameaça terrorista.

As teorias da conspiração de que o 5G causa autismo, câncer e covid-19 também levaram a ataques generalizados no Reino Unido e no Canadá, além de agressões verbais e físicas a funcionários de empresas de telecomunicações.

A FONTE DAS MENSAGENS DE CONSPIRAÇÃO
Para entender melhor a natureza e as origens das campanhas de desinformação contra o 5G na Austrália, examinei as 530 petições postadas on-line no comitê permanente do Parlamento sobre comunicação e artes.

A maioria dos envios era de cidadãos comuns. Um número considerável, no entanto, fez alegações sobre os efeitos do 5G na saúde, repetindo a linguagem de sites bem conhecidos de teorias da conspiração.

A visível falta de “consentimento” (por exemplo, aqui, aqui e aqui) sobre o lançamento planejado do 5G foi destacada nessas submissões. Uma pessoa argumentou que ela não concorda em permitir que o 5G fosse “disponibilizado diretamente” na sua casa e “irradiasse” sua família.

Para conectar sentimentos como esse a grupos conspiratórios, busquei em 2 sites de conspiração conhecidos que foram identificados como disseminadores de narrativas consistentes com operações de desinformação russas –o Center for Research on Globalization (CRG) e o Zero Hedge.

O CRG é uma organização fundada e dirigida por Michel Chossudovsky, ex-professor da Universidade de Ottawa e colunista do Russia Today.

O site foi marcado pela inteligência da Otan como parte de esforços mais amplos para minar a confiança em “instituições governamentais e públicas” na América do Norte e na Europa.

O Zero Hedge, que é registrado na Bulgária, atrai milhões de leitores todos os meses e está entre os 500 principais sites visitados nos EUA. A maioria das histórias é voltada para o público norte-americano.

Pesquisadores conectaram o Zero Hedge a influenciadores digitais e outros sites de mídia conhecidos por abastecer narrativas pró-Kremlin, como a alegação de que a Ucrânia, e não a Rússia, é a culpada pela queda do voo MH17 da Malaysia Airlines.

COMO FOI USADO NAS PETIÇÕES PARLAMENTARES
Para minha pesquisa, vasculhei as principais postagens divulgadas por esses grupos no Facebook em busca de falsas alegações sobre as ameaças à saúde representadas pelo 5G. Algumas histórias que encontrei tinham manchetes como “13 razões pelas quais a tecnologia sem fio 5G será uma catástrofe para a humanidade“ e “Centenas de cientistas respeitados chamam a atenção para os efeitos na saúde à medida que as redes 5G se tornam globais”.

Depois, acompanhei a difusão dessas publicações no Facebook e identifiquei 10 grupos públicos em que foram postadas. Dois dos grupos tiveram como alvo específico os australianos –o Australianos pela Tecnologia Segura, 1 grupo com 48.000 membros, e a Austrália Sem Censura. Muitos outros, como o popular grupo de conspiração de direita QAnon, também continham posts sobre o debate 5G na Austrália.

Para determinar as semelhanças nos artigos publicados nesses grupos do Facebook e as submissões ao comitê parlamentar australiano, usei a mesma técnica usada nos textos que são comumente usados para detectar plágio em trabalhos universitários.

A análise classifica semelhanças em documentos em uma escala de 0 (totalmente diferente) a 1 (exatamente igual). Houve 38 envios com pelo menos 0,5 semelhança com as postagens no grupo Facebook 5G Network, Perigos de radiação por microondas e outros problemas de saúde e 35 com 0,5 semelhança com o grupo Australianos pela Tecnologia Segura.

Isso é significativo porque mostra que, para essas 73 inscrições, 50% do idioma era, palavra por palavra, exatamente o mesmo que as postagens de grupos extremos de conspiração no Facebook.

O IMPACTO DA DESINFORMAÇÃO NA FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS
O processo de solicitação de petições para uma investigação parlamentar é uma parte importante de nossa democracia. Em teoria, fornece aos cidadãos e organizações comuns uma voz na formação de políticas.

Minhas descobertas sugerem que grupos de conspiração do Facebook e outros sites estão tentando cooptar esse processo para influenciar diretamente na maneira como os australianos pensam sobre o 5G.

Na era pré-Internet, as campanhas de desinformação geralmente tinham alcance limitado e levavam tempo significativo para serem disseminadas. Elas normalmente exigiam a produção de documentos falsificados e uma mídia simpática. As principais notícias geralmente ignoravam essas publicações e poucas pessoas as liam.

Atualmente, no entanto, é preciso apenas criar uma conta falsa nas redes sociais e 1 meme. A desinformação pode se espalhar rapidamente se for amplificada através de trolls e bots on-line.

Ele também pode se espalhar no Facebook, com seu algoritmo projetado para direcionar usuários comuns a grupos e páginas extremistas, explorando sua atração por conteúdo discriminatório.

E uma vez que esse conteúdo manipulador tenha sido amplamente divulgado, combatê-lo é como tentar colocar a pasta de dente de volta no tubo.

A desinformação tem o potencial de minar a fé nos governos e instituições e tornar mais desafiador para as autoridades fazer melhorias públicas. É por isso que os governos precisam ser mais proativos na comunicação eficaz de informações técnicas e científicas ao público, como detalhes sobre o 5G.

Assim como a natureza abomina o vácuo, uma esfera pública sem vozes confiáveis rapidamente se enche desinformação.

__

*Michael Jensen é pesquisador sênior do Instituto de Governança e Análise de Políticas da Universidade de Canberra. Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons.

Selecionamos outros textos para você