Conselhos para administrar uma startup de mídia

13 de setembro de 2021

“Faça amizade com finanças e case-se com tecnologia. Sem o pessoal do dinheiro e o pessoal da tecnologia do seu lado, você está arruinado”. O conselho é de Katie Vanneck-Smith, editora do  Tortoise Media uma startup de mídia que conquistou 130 mil membros pagantes em dois anos. A entrevista foi dada a , do Journalism.co.uk, que entrevistou líderes de startups de mídia de todos os tamanhos para entender o que aprenderam na função.

O Tortoise  Media é um veículo do Reino Unido que funciona dentro do chamado movimento de “notícias lentas” . A abordagem de cada tema é mais paciente, sem se importar com a quantidade, mas sim com a qualidade do que é relatado. A campanha de lançamento começou em 2018 e rapidamente várias pessoas se identificaram com a proposta e resolveram aderir, doando fundos para que o projeto saísse do papel. O resultado foi um financiamento coletivo superior a £ 500.000.

Atualmente, o veículo tem cerca de 130 mil membros pagantes e recebe receita de parcerias comerciais, principalmente por meio de sessões ThinkIn, jornalismo de dados e uma variedade de serviços de áudio, incluindo podcasts e IP e compra de direitos sobre o conteúdo. Além de Katie Vanneck-Smith, cofundadora e editora, ex-presidente da Dow Jones e do The Wall Street Journal; também estão à frente da empresa Matthew Barzun, co-fundador e presidente, e ex-embaixador dos EUA na Suécia e depois no Reino Unido; e James Harding, cofundador e editor-chefe, e ex-diretor da BBC News e ex-editor do The Times.

Na entrevista, Katie conta como surgiu a ideia de criar o Tortoise e fala das habilidades necessárias para que jornalistas consigam estar à frente de uma startup de mídia, incluindo os principais desafios em administrar a empresa.

Clique aqui e leia a íntegra no Journalism.co.uk

 

Selecionamos outros textos para você