Apresentador morre vítima da covid-19

O ESTADO DE S.PAULO – 29/07/2020

O apresentador do Sportv, Rodrigo Rodrigues, morreu ontem, no Rio, em decorrência da covid-19. O jornalista tinha 45 anos e não resistiu a complicações da doença após ter contraído o novo coronavírus. No domingo, ele havia passado por uma cirurgia para diminuição da pressão intracraniana após a equipe médica confirmar trombose venosa cerebral. Rodrigo estava internado em estado grave.

No dia 13 de julho, o jornalista fez testes para covid-19, embora não tivesse sintomas, e o resultado foi positivo. Assim, ele foi imediatamente afastado pela Globo de suas funções. Nos dias anteriores, o jornalista passou a apresentar sintomas como falta de paladar e olfato, mas dizia que estava se sentindo bem. No entanto, as coisas mudaram no último sábado, quando ele deu entrada no Hospital Unimed-rio com cefaleia, vômito e desorientação.

Ainda no domingo, Rodrigo Rodrigues foi submetido a um procedimento para diminuição da pressão intracraniana em decorrência de uma trombose venosa cerebral. Ele não resistiu e teve a morte confirmada ontem.

Carreira. Rodrigo Rodrigues apresentou o programa Troca de Passes pela última vez em 9 de julho. Ele trabalhou também na Rede TV!, SBT, TV Cultura, Band, Gazeta, ESPN Brasil e no canal Esporte Interativo. Estava no Sportv desde 2019.

Rodrigo começou a carreira em 1995, na Rede Vida. Trabalhava com o que mais gostava: música. Em 2001, cobriu o Rock in Rio. O jeito espontâneo arrancava as melhores respostas. Passou por TV Cultura, SBT e Bandeirantes e lançou o primeiro livro em 2008: As Aventuras da Blitz, que conta a história da banda nacional de rock liderada por Evandro Mesquita.

Em 2011, o jornalista cultural decidiu se aventurar no esporte. Foi contratado pela ESPN e cativou os atletas da mesma forma que fazia com os músicos. Rodrigo sabia dar espaço para cada convidado brilhar. Cada um no seu momento. Como numa banda de rock, todo instrumentista tem direito ao solo. Nada mais natural para esse jornalista-roqueiro, líder da banda The Soundtrackers, que tocava músicas de filmes e tinha três discos gravados.

Durante uma apresentação da banda no programa Domingão do Faustão, da TV Globo, Rodrigo Rodrigues respondeu assim à pergunta do apresentador sobre o começo de sua carreira: “Eu comecei desenhando, aí passei para o violão. E, aí, quando eu achava que ia ser professor de arte e tocar na noite, fiz um teste acidental e virei apresentador. Não parei mais, faz 25 anos… Mas eu nunca deixei de tocar, faço questão de manter a banda porque uma paixão alimenta a outra.”

Repercussão. Jornalistas, amigos, clubes, federações e profissionais do Esporte lamentaram muito a morte de Rodrigo Rodrigues. Companheiro no Troca de Passes, o ex-jogador e comentarista do Sportv Grafite falou sobre a morte do apresentador.

“Calvin. Era assim que o grandioso RR me chamava. Quando digo grandioso, é em todos os sentidos. Profissional e amigo confidente, sempre uma palavra ou um ato de alegria e espontaneidade. Descanse em paz!”

O humorista Marcelo Adnet foi outro que se manifestou. “Que tristeza enorme e que choque a partida precoce do querido Rodrigo Rodrigues. Grato por todos os momentos que passamos juntos”, escreveu Adnet.

O jornalista Tiago Maranhão, que passou pelo Sportv, escreveu sobre o colega. “O Rodrigo era muito raro. Ele era uma ponte, ele era o diálogo, ele agradava todo mundo. Veio ao mundo pra aproximar pessoas. Fazia isso com sorriso no rosto, sempre com alguma coisa agradável pra dizer sobre todo mundo. Vai fazer muita falta.”

Ex-colegas dos tempos de ESPN também estavam emocionados. Antero Greco, ex-editor de esportes e colunista do Estadão, falou sobre o amigo. “A aventura de Rodrigo Rodrigues por aqui foi curta, mas intensa e emocionante. Que honra ter vivido com amigo tão terno e gentil. Um presente que a vida deu para mim e para os que o conheceram. Obrigado, querido.”

Gerd Wenzel, 76 anos, comentarista da ESPN e especializado em futebol alemão, também se manifestou. “Luto. Trauer (luto em alemão). Por um amigo que “partiu muito antes do combinado.”

Selecionamos outros textos para você