‘Acredito que o jornalismo robótico fará parte integrante do nosso trabalho editorial’, diz editor de jornal sueco

20 de setembro de 2021

Um artigo do What’s New In Publishing (WNIP) fala sobre como as empresas de mídia estão usando robôs para produção de conteúdo e coberturas de eventos múltiplos, como campeonatos de esportes variados. O exemplo vem de uma editora holandesa, que combinará jornalismo de robôs e crowdsourcing para cobrir todas as 60.000 partidas de futebol regionais na primeira temporada pós-Covid.

“Graças ao jornalismo automatizado, podemos escrever sobre cada jogo de futebol local, cobertura que não é fornecida por ninguém. Isso, combinado com o elemento de crowdsourcing, impulsionará a inclusão e o envolvimento nas comunidades esportivas locais e, por extensão, criará valor em nossa marca de notícias”, explica Ard Boer, Gerente de Projetos Esportivos da NDC.

Plataforma de cruzamento de dados

Os relatórios das partidas serão gerados automaticamente com a ajuda de um software de inteligência artificial que combina o Natural Language Generation (NLG) com fontes de dados estruturados. Fotos e comentários dos treinadores serão coletados por meio de uma plataforma de crowdsourcing (cruzamento de dados). Nela, os treinadores são estimulados a comentar por mensagem de texto após cada partida. As fotografias também são recolhidas da mesma ferramenta, vindo de celulares dos próprios treinadores e de outras pessoas em campo.

A plataforma de crowdsourcing é desenvolvida pela NDC com o apoio da United Robots, que já opera um serviço semelhante na Suécia. Lá, o grupo de mídia local sueco Mittmedia gerou 7,3 milhões de visualizações de página, em 2019, com a ajuda de artigos gerados por robôs. Eles representaram 3% do número total de visualizações de páginas da empresa.

Outro grupo de comunicação sueco que tem tido sucesso com a técnica é o site do tablóide nacional Nyheter24, que publica listas automatizadas dos melhores imóveis e artigos imobiliários de celebridades. Os artigos geram dezenas de milhares de visualizações de página por semana.

“Para Nyheter24, isso representa um investimento importante no futuro. Acredito que o jornalismo robótico fará parte integrante do nosso trabalho editorial. ”, afirma Herik Eriksson, editor do Nyheter24

Preço final influencia na escolha

De acordo com os editores, deixar os textos mais simples nas mãos de robôs, libera os jornalistas para produzirem textos mais complexos. No entanto, eles admitem que o preço do produto influencia consideravelmente a escolha. É o que explica Jan Stian Vold, líder de projeto do site de imóveis Bergens Tidende, onde a automação impulsionou as vendas.

“Se tivéssemos que empregar 5 jornalistas para fazer este trabalho, o ganho teria sido anulado pelo custo em horas de redação”, diz Vold.

Clique aqui e leia o artigo completo no WNIP

Veja mais casos no site da United Robots

Selecionamos outros textos para você