Jornal Nacional e o fim do DOU impresso

Leia a carta de Two Sides enviada hoje ao jornalista William Bonner do Jornal Nacional e ao Diretor Executivo da Imprensa Oficial.

Carta-a-William-Bonner-sobre-materia-do-Jornal-Nacional-de-30-Nov-2017 sobre fim do Diário Oficial Impresso

 
***
São Paulo, 1º de dezembro de 2017.
 

Sr. William Bonner
Editor Chefe do Jornal Nacional
Central Globo de Jornalismo
Rede Globo

Assunto: Matéria “Diário Oficial da União deixa de ser publicado em papel”

Prezado Sr. William,

Na edição do Jornal Nacional de 30 de novembro de 2017, em matéria apresentada pela jornalista Zileide Silva sobre o encerramento da produção impressa do Diário Oficial da União, entre 1’36” e 2’04” da transmissão, foi mencionada a seguinte informação:

“30 de novembro de 2017. É o próprio Diário Oficial da União fazendo, entrando na história. O D.O., como é conhecido, está sendo impresso pela última vez. E a natureza agradece. Eram usadas 720 toneladas de papel por ano. Quase 11 mil árvores para imprimir o D.O. Palmas para a última edição”.

Embora entendamos claramente o objetivo de estimular o consumo consciente, com o que concordamos, nós da Two Sides também queremos desmistificar mensagens sobre a prática de impressão de papéis, com informações sólidas e revisadas por entidades respeitadas e confiáveis.

Esse tipo de afirmação pode ser interpretada como uma mensagem “greenwashing”1, além de ser imprecisa, levando os telespectadores, colaboradores e parceiros da Rede Globo a acreditarem falsamente que há prejuízo ao meio ambiente, quando na verdade não há.

A Impressão em papel tem características ambientais únicas. O papel vem de fonte renovável e que, quando manipulada de forma responsável, é regenerada perpetuamente2. A taxa de reciclagem de papel no Brasil chegou a 63% em 20163, e sua produção envolve uma alta porcentagem de energia renovável.

Diferentemente do que se acredita, a produção de papel não devasta florestas nativas, visto que a celulose utilizada no Brasil vem 100% de florestas plantadas para esse fim4. Além das plantações de eucalipto e pinos, espécies exóticas, a indústria brasileira de celulose conserva extensas áreas de matas nativas, ou seja, encoraja e depende do gerenciamento de práticas florestais sustentáveis, geradoras de milhões de árvores todos os anos.

A Two Sides Brasil é uma organização sem fins lucrativos, composta por representantes de todos os setores da indústria da comunicação impressa brasileira, dedicada a promover a produção e o uso responsável da impressão e do papel, bem como a esclarecer equívocos ambientais comuns sobre a utilização desse recurso.

A entidade organiza atualmente uma ação educacional para ajudar as maiores empresas do Brasil e outras instituições a desenvolver e implementar melhores práticas relacionadas às campanhas de marketing ambiental sobre impressão e papel, poupando-se assim de serem rotuladas como enganosas.

Para favorecer uma leitura cuidadosa, você recebe juntamente com essa carta o guia Mitos e Fatos, que esclarece e promove a conscientização sobre as características sustentáveis da impressão e do papel.

Estamos à disposição para conversar e esclarecer mais detalhadamente o quanto a comunicação impressão e a produção de papel são sustentáveis no Brasil, assim como fizemos com outras empresas.

O resultado final tem sido campanhas mais precisas e corretas, que não prejudicam a indústria do papel, responsável por centenas de milhares de empregos no Brasil.

Obrigado por sua atenção e espero receber notícias suas.

Respeitosamente,

Fabio Arruda Mortara
Country Manager, Two Sides Brasil

Fontes
1Greenwashing: ato de confundir os consumidores quanto às práticas ou benefícios ambientais de uma empresa ou de um produto ou serviço.
2TAPPI Paper University ; WWF, 2010
3ANAP, 2017
4IBÁ, 2017

Selecionamos outros textos para você